Monumento Revolta Ribeirão Manuel

http://patrimonium-cv.blogspot.com/

This is default featured slide 4 title

Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these sentences with your own descriptions.This theme is Bloggerized by Lasantha Bandara - Premiumbloggertemplates.com.

This is default featured slide 5 title

Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these sentences with your own descriptions.This theme is Bloggerized by Lasantha Bandara - Premiumbloggertemplates.com.

sábado, 30 de julho de 2011

Cabo Verde: antologia de poesia contemporânea,

Cabo Verde: antologia de poesia contemporânea, organizada por Ricardo Riso, já se encontra disponível para acesso e download no sítio da revista acadêmica África e Africanidades (ISSN 1983-2354), edição nº 13, ano IV. Em 146 páginas, reúne 76 poemas de 13 poetas: António de Névada, Carlota de Barros, Danny Spínola, Dina Salústio, Filinto Elísio, José Luis Hopffer C. Almada, Margaridas Fontes, Maria Helena Sato, Mario Lucio Sousa, Oswaldo Osório, Paula Vasconcelos, Vasco Martins e Vera Duarte. A antologia conta com ilustrações dos artistas plásticos Abraão Vicente e Mito Elias.
 “A presente antologia pretende contribuir para a melhor divulgação da poesia contemporânea de Cabo Verde, ainda de tímida exposição no Brasil. (…) deseja dar a conhecer, ainda que de forma breve, alguns desses poetas, artífices da linguagem, e assim estimular um olhar mais atento do público brasileiro para a recente produção poética cabo-verdiana.”
Para acessá-la, clique aqui
Na edição 14 (agosto/2011), será publicada Moçambique Hoje: antologia da novíssima poesia moçambicana, também organizada por Ricardo Riso, com a participação de Alex Dau, Andes Chivangue, Armando Artur, Chagas Levene, Domi Chirongo, Manecas Cândido, Mbate Pedro, Rinkel, Rogério Manjate, Sangare Okapi, Tânia Tomé. Ilustrações de João Paulo Quehá.

fonte: http//www.buala.org/pt/da-fala/: 

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Nhu Santiagu – Longe da Boca do Porto de Pedra Badejo

 Entre o sagrado e o profano, a geração emigrada das ilhas, dos idos de setenta do século passado, continua a lutar para manter a sua tradição em terras da diáspora. Durante o ofertório, lá estavam os símbolos dessa travessia no tempo e no espaço e que melhor falam de uma história ainda por contar: as bandeiras de Portugal e Cabo Verde, a talocha e a colher da construção civil, aos frutos tropicais num balaio, a Bíblia e uma maleta, a dança e os cânticos. É hora da missa nas festividades de “Nhu Santiago”. O sol inclemente faz com que os crentes e assistentes se distribuam sob as árvores que se parecem ilhas de sombra e de fé.

Como é já da tradição, esta é sexta vez que a Associação de Moradores do Alto de Barronhos e Associação dos Amigos de Santa Cruz, apoiados pela Câmara Municipal de Oeiras e pela Junta de Freguesia de Oeiras, organizam as festividades, antes da procissão, usaram da palavra os representantes das autarquias já mencionadas e o Presidente da Assembleia Municipal de Santa Cruz, José Jorge Silva, para enaltecer uma comunidade que trabalha e se integra no país de acolhimento mas procura manter laços fortes com as suas raízes e é grata para aqueles de quem recebe apoio.
José Jorge Silva era um filho de Pedra Badejo emocionado na sua intervenção. Disse que se sentia em casa, tal a recepção que teve. Para o asemanaonline declarou que teve encontros informais com os jovens que se preocupam, sobretudo, com um posto de trabalho na iminência do regresso. Falou ainda do novo mercado na Achada Fátima, na praça que futuramente será o antigo mercado e no projecto de um resort na zona da Coroa.
O programa começou a 22 com actividades desportivas e recreativas e culminou com a tarde cultural, domingo, depois o lauto almoço com as iguarias da terra, em que a nova geração mostrou as suas habilidades sobretudo na dança e na música na qual o funaná continua a dar cartas e a ser um forte atractivo para muitos que nunca pisaram as ilhas mas ambicionam um dia fazê-lo.

Fonte: A Semana

 

Olaria em exposição no Museu Etnográfico

“O barro, moldando a cultura caboverdiana” é a exposição-venda de olaria que está patente no Museu Etnográfico da Praia. Até 7 de Outubro desfrute de visitas guiadas, modelação ao vivo do barro com as oleiras de Fonte Lima (Santa Catarina) na primeira semana, projecção de documentários e exposição/venda de peças de olaria. Iniciativa do Instituto da Investigação e do Património Culturais (IIPC).

Fonte: A Semana

quinta-feira, 21 de julho de 2011

“Os 10 edifícios mais feios do mundo”, segundo o site de viagens VirtualTourist.com


O site de viagens VirtualTourist.com, que tem mais de um milhão de membros registados, lançou a sua terceira lista anual com os dez edifícios «mais feios do mundo».
A lista foi feita pelos membros e editores internacionais do site, e inclui cinco construções na Europa, três na Ásia e duas nos Estados Unidos.
1 – Sheffield Hallam University | Sheffield, Reino Unido
2 – Grand Lisboa Hotel | Macau, China
3 – M2 Building | Tóquio, Japão
4 – Spruce Tree Centre | Minnesota, Estados Unidos
5 – Palácio da Justiça | Florença, Itália
6 – Whitney Museum of American Art | Nova Iorque, Estados Unidos
7 – Industriens Hus | Copenhaga, Dinamarca
8 – Hong Kong Museum of Art | Hong Kong, China
9 – Exhibition Wing, Van Gogh Museum | Amesterdão, Holanda
10 – Plattenbauten | Variadas áreas da Alemanha

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Mário Lúcio inaugura Mercado de Artesanato do Tarrafal de Santiago


O Mercado de Artesanato e Cultura e o Mercado Municipal no concelho do Tarrafal de Santiago serão inaugurados a partir das 15 horas desta quarta-feira, 20, pelo ministro da Cultura, Mário Lúcio, e pelo presidente da Câmara Municipal, João Domingos Correia. As inaugurações contam ainda com a presença da ministra de Cooperação e Acção Humanitária do Luxemburgo, Marie-Josée Jacobs.

O Mercado de Artesanato e Cultura é um espaço para projectar e dinamizar actividades culturais, artísticas e de entretenimento no interior de Santiago. O novo espaço para expor e vender produtos de artesanato e cultura ergue-se no coração da cidade de “Mangui”, no antigo Mercado Municipal, que foi reabilitado pela Câmara Municipal e pela Cooperação Luxemburguesa, num financiamento a rondar os cinco mil contos.
A ideia da autarquia é alargar a oferta cultural do concelho, promovendo e incentivando a iniciação artística, a criação, a produção e a divulgação dos agentes culturais locais. Música, dança, artes cénicas, artesanato, literatura, artes plásticas e multimédia são as áreas que irão fazer do Tarrafal um destino de cultura e de lazer.
O MACT tem um auditório com capacidade para 300 pessoas sentadas e 200 de pé, salas para reuniões, palestras, casamentos, baptizados, feiras e outras actividades culturais que irão contribuir para a promoção da imagem do Tarrafal e das suas gentes. Conta ainda com espaços para agências de viagens, atelier de artesanato, posto de informação turística, sala de apoio, ensaios e aprendizagem de artes tradicionais, sala de som e estúdio de comunicação.

Fonte: Asemana

 

sábado, 16 de julho de 2011

Revista Património Estudos Nº 11


Encontra-se disponível ao público interessado, o número 11 da Revista Património Estudos, publicada pelo IGESPAR, retomando, com nova estrutura e um novo design gráfico, a dimensão disciplinar desta série, dedicada ao estudo, salvaguarda e divulgação do património arquitectónico e arqueológico.
Para mais informações:
www.igespar.pt
fonte: Pportodosmuseus 

Jornadas Europeias do Património 2011 – Património e Paisagem Urbana


Nos dias 23, 24 e 25 de Setembro celebram-se, em Portugal, as Jornadas Europeias do Património, este ano sob o tema Património e Paisagem Urbana.
Tal como nas edições dos anos anteriores, o IGESPAR, enquanto coordenador nacional, convida todas as entidades públicas e privadas que de algum modo estejam relacionadas com o Património, a associarem-se a esta acção.
Para mais informações:
www.igespar.pt


fonte: pportodosmuseus

quinta-feira, 14 de julho de 2011

IIPC promove conferência para debater Banco de Dados do património




Com um painel de comunicadores de renome, a conferência "Inventário Nacional do Património Cultural Imóvel: Conhecer para Proteger" pretende levar à praça pública o projecto homónimo do IIPC.
A conferência decorre nos dias 14 e 15 de Julho, no Auditório do Arquivo Histórico Nacional (Praia). Aí, será discutido o projecto "Inventário Nacional do Património Cultural Imóvel: Conhecer para Proteger"do Instituto da Investigação e do Património Culturais (IIPC) através do qual se criou um banco de dados georreferenciado do património existente em Cabo Verde. Com esta nova ferramenta ao serviço da herança cultural, abriu-se uma nova possibilidade na valorização e salvaguarda do património edificado.

Segundo a nota de imprensa essa base de dados virá facilitar o "processo de classificação legal dos monumentos, sítios e centros históricos, permitindo assim a criação de regulamentos e normas que garantam a preservação do património cultural". Essa preservação será efectuada "dentro de uma perspectiva histórica e urbanística" que "propicie o melhoramento da gestão urbana do sítio histórico".

No encontro, de dois dias, são apresentados quatro painéis temáticos, abordados e moderados por diversos especialistas. No primeiro, questiona-se qual o "Modelo de Inventário de Património Cultural para Cabo Verde"; no segundo, fala-se de "Património Cultural, Memória e Identidade: Monumentos e Sítios" ; no terceiro, reflecte-se sobre o Inventário de Património Cultural Construído (Imóvel) "e "a sua Importância na Gestão e Ordenamento do território" ; por fim, no quarto painel, a abordagem será sobre "Património Cultural, Turismo e as Economias Criativas: Para um desenvolvimento integral e sustentável".

A sessão de abertura deste evento conta com a presença do Ministro da Cultura, Mário Lúcio Sousa, do presidente da Associação Nacional de Municípios de Cabo Verde, Francisco Tavares, e do presidente do IIPC, Humberto Lima.
14-7-2011, 12:40:32
Sara Almeida, Redacção da Praia
fonte:Expressodasilhas

NOVO TRABALHO DE TCHEKA, “DOR DE MAR”, JÁ ESTÁ NO MERCADO


Praia, 12 Julho - O músico e compositor cabo-verdiano Tcheka já tem à venda, no mercado, o seu mais novo trabalho discográfico denominado “Dor de Mar”. Composto por 12 temas, todos da sua autoria, com excepção de um tema de Norberto Tavares (Forti bu dan cu stango!) - que o artista reinventa numa interpretação muito pessoal -, o disco “Dor de Mar” fala do amor do artista ao mar e à natureza.
Tcheka assume todos os arranjos, assim como a produção musical do novo CD, refere nas suas letras sobre as agressões à natureza, em particular a apanha da areia, problema ambiental sério em Cabo Verde.
O CD traz um grupo de músicos heterogéneo em experiências e ao mesmo tempo com grande coesão artística, formado pelo camaronês Guy Sanguy (baixo eléctrico), pelo francês Thierry Fanfan (baixo acústico, o que introduz um aspecto novo na sonoridade da música de Tcheka), o angolano Ndu (bateria) e o guitarrista Ivan, de Cabo Verde.
Tcheka, ao violão e voz, regressa ao disco e aos palcos depois de quatro anos, com novas composições e o seu toque peculiar.
Para a distribuição de Dor de mar, a Harmonia estabeleceu contrato com a Sony Music, o que permitirá levar o trabalho de Tcheka para novos públicos
O músico produziu ainda os discos “Argui” (2003); “Nu Monda” (2005); “Lonji” (2007). Participou igualmente no CD Praia-Dakar Conexões, Harmonia, 2005.
Filho do violinista Nho Raul Andrade, cuja casa era uma verdadeira escola de música em Ribeira da Barca (Santa Catarina), Tcheka (Manuel Andrade), entrou na música aos 9 anos e nunca mais parou. Animava bailes e festas com o pai e os irmãos, a tocar mornas e coladeiras, mas a partir dos 16 anos começa a se interessar-se pela música tradicional de Santiago, o batuko em particular.
Mais tarde, a residir na Praia, amplia os seus horizontes musicais e, a partir de determinada altura, encontra o seu caminho: a reelaboração do batuko, numa encruzilhada de influências que vão do blues, à MPB, passando pela música africana contemporânea. E destaca-se como compositor e também como intérprete, com um toque subtil e ao mesmo tempo marcante no violão.


fonte: Liberal

quarta-feira, 13 de julho de 2011

Desenho mais antigo de rei egípcio encontrado em Assuão

O desenho mais antigo que se conhece de um rei egípcio foi encontrado nas proximidades de Assuão (região de  Al Hamdulab), a 800 quilómetro do Cairo, por uma equipa de arqueólogos norte-americanos e italianos. Com cinco mil anos, o desenho é talhado em rocha e pertence ao período da chamada dinastia zero (3200-3000 a.C.). Segundo o ministro de antiguidades egípcio Zahi Hawas, foi nessa época que ocorreu o complexo processo de unificação política até à criação do estado e do nascimento da primeira dinastia. Além do rei com uma coroa branca, do Alto Egipto, encontra-se ainda representada uma série de hieróglifos, forma de escrita que terá aparecido também por aquela época, e as primeiras imagens de uma celebração real, curiosamente muito semelhantes às que se encontram em épocas faraónicas.
(…)
Para a arqueóloga María Carmela Gato, directora da investigação, a importância da descoberta está na sua composição. A peça de arte rupestre da época pré-dinástica“representa uma procissão de barcos supervisionada pelo rei acompanhado por dois porta-estandartes, um cortesão e um cão”, esclarece.
O desenho mostra semelhanças com as cenas talhadas na Paleta de Narmer, uma placa cerimonial de relevos representando o acontecimento histórico da unificação do Alto e Baixo Egipto.

Fonte: Ciência Hoje

Itália recuperou mais de três mil obras de arte no último ano

A Itália é um país conhecido pela sua riqueza histórica e por isso é um dos alvos principais de assaltos a obras de arte. Só no último ano, a Itália conseguiu recuperar mais de três mil obras de arte que tinham sido roubadas
Entre os objectos recuperados está uma estátua de 1488 roubada há 32 anos da catedral de Pama. A peça de mármore, que representa a figura do Rei David, feita pelo escultor Roberto Moffiolo, está avaliada em 750 mil euros. “A operação das autoridades devolveu à nossa catedral uma obra muito bela e que será recolocada no altar. É uma obra que representa um momento muito importante da nossa história”, disse à agência Efe o bispo da catedral Enrico Solmi, explicando que a recuperação da obra de arte ao fim de tantos anos é um sinal em como se pode confiar no trabalho das autoridades e do Ministério da Cultura.
Uma ânfora rara e um copo de vinho, conhecido por Kylix, datados de 525 a.C., foram também recuperados no ano passado, quando estavam preparadas para ser vendidas no mercado negro.
(…)
Fonte: Público, 11.07.2011
Pportodosmuseus

sábado, 9 de julho de 2011

Praia: Mais Platô para as pessoas e mais gente no Platô

A um dia da "devolução" simbólica da rua pedonal 5 de Julho à cidade, na data histórica que lhe dá o nome, a Câmara Municipal da Praia (CMP) promoveu o Fórum Nacional "Desafios da Pedonalização na Cidade da Praia". Reflectindo sobre a primeira experiência com uma rua pedonal, foi analisado o repto da aposta em mais ruas restritas à circulação automóvel e debatido o impacto dessa opção, na urbe.
"No fórum vamos fazer a avaliação daquilo que já está feito e das próximas etapas. Com base na experiência da rua 5 de Julho vamos ver se há espaço e condições de fazer outras ruas pedonais, aqui no Platô, " clarifica Ulisses Correia e Silva.
O "como" concretizar essa pedonalização e o debate sobre qual o "melhor aproveitamento dessas requalificações no sentido da dinamização da actividade comercial e cultural", foram também pontos fulcrais do fórum.
Num período em que, tal como no resto do globo, a (iminente) introdução das grandes superfícies comerciais retira as pessoas das ruas e ameaça o pequeno comércio, a pedonalização é uma intervenção importante. As ruas pedonais constituem centros comerciais ao livre, que permitem fazer as compras em segurança, e que podem acolher várias actividades convidativas, como as actividades lúdico-didácticas ou culturais.
Mas a acção da Câmara, sendo importante, não basta. O sucesso das iniciativas para transformação do Platô num centro apelativo, "irá depender daquilo que nós enquanto câmara iremos fazer e do engajamento de todas as outras entidades, culturais, comerciais que se envolvem na vida da cidade", salienta o presidente da CMP.
Na rua 5 de Julho falta ainda reforçar a iluminação, algo que a CMP está a tratar. E falta pintar as fachadas, mas aí o "ritmo irá também depender dos particulares".

"A rua pedonal não é uma peça solta no processo de requalificação do centro histórico"
A par com a transformação da Rua 5 de Julho em artéria pedonal, há todo um conjunto de acções de requalificação previsto para o "coração" da cidade.
Com a construção do novo mercado municipal, surge o debate sobre o perfil que o mercado do Platô deve apresentar no futuro. 
Espaços como o Cine-teatro da Praia e o Miradouro Diogo Gomes serão também requalificados. E a esplanada da Praça Alexandre Albuquerque vai abrir ao público, em data próxima.
Para o Presidente da CMP, esta aposta na valorização e dinamização do centro histórico é algo que todos os praienses, nomeadamente os que vivem em outros bairros valorizam. O orgulho no centro histórico e o aumento da auto-estima dos praienses são transversais a todas as zonas da cidade, considera.
E a ideia é também que o Platô seja, de facto, um centro de referência turístico para a cidade.
Mas nem só com o turismo se dinamiza um local. A sua gente, os seus habitantes, são essenciais e trazer moradores para o Platô, um factor incontornável nesta acção de "dar vida" ao centro.

Edifícios administrativos podem tornar-se espaços de habitação
Uma das propostas da CMP, nesse sentido é que os edifícios que agora albergam ministérios e outras entidades que serão transferidas para a Cidade Administrativa, sejam convertidos em habitações.
"Por exemplo, suponhamos que o ministério das finanças sai do espaço onde está. Esse mesmo edifício poderia ser disponibilizado para apartamentos para jovens casais."
O Platô já foi, em tempos residencial, um centro residencial. Depois foram instalados os serviços e os moradores mudaram-se para outros bairros.
"Agora temos que fazer o movimento ao contrário. Tirar os serviços e trazer novamente pessoas. É essa a nossa intenção, o nosso desejo".
As residências universitárias, seriam também um bom motor de dinamização do Platô.
"E o espaço existe", insiste Correia e Silva. "Temos por o edifício do banco central. O banco central vai passar para a Achada de Santo António, quando a sede estiver construída, assim como outros edifícios (...). Portanto, há muito espaço desde que haja vontade de fazer e de contribuir para que o Platô tenha realmente vida porque isso é fundamental para a vida da cidade e para a sua própria salvaguarda".

Um Parque de Estacionamento na encosta
A introdução de parquímetros e a construção de um Parque de Estacionamento com vários pisos também deve libertar um pouco o Platô do excesso de carros. O Parque de Estacionamento será construído, segundo o previsto, na encosta que sobe por trás da zona de Sucupira, dando acesso à entrada de Ponta Belém. O Parque será realizado em parceira com a EMEL (Empresa Pública Municipal de Estacionamento de Lisboa).
"Estamos apenas aguardar, primeiro a autorização da assembleia municipal de Lisboa para que a EMEL possa fazer parte da sociedade que nós iremos constituir e depois autorização também da assembleia municipal da Praia, para que CMP faça parte dessa sociedade", adianta Correia e Silva.


O Fórum
O Fórum Nacional sobre "Desafios da Pedonalização na Cidade da Praia", realizou-se na segunda-feira, 4, nos Paços do Concelho, e foi dividido em dois painéis. No primeiro, sobre o "Platô na História", Lourenço Gomes falou do "Percurso histórico do Platô" e José Maria Semedo da "Vivência Urbana do Platô". Coube a Arlindo Mendes o papel de moderador da mesa.
No segundo painel, intitulado "Ruas Pedonais e Desenvolvimento Urbano" debateram-se, sob moderação de Judite Nascimento, as "Perspectivas para a Rua 5 de Julho". Alcides Moura, Olavo Correia e o arquitecto Carlos Évora foram os intervenientes.

9-7-2011, 03:23:41
Expresso das Ilhas

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Cidade Velha: Objectivos da UNESCO cumpridos e novos projectos

"O estado de conservação da cidade velha goza de uma boa saúde". Quem o diz é Jair Fernandes, do Instituto de Investigação e Património Cultural (IIPC), depois de ter participado na 35.ª Sessão de Conferência da UNESCO.
Segundo relatório periódico apresentado ao Centro do Património Mundial (da UNESCO), durante a Conferência, foram cumpridos 80% dos objectivos apresentados aquando da inscrição.
No Centro de Património Mundial, os responsáveis foram "unânimes em afirmar que tomaram a decisão certa", ao inscreverem a Cidade Velha na lista de Património Mundial", ressalva o Director da Salvaguarda do Património, salientando que a qualificação não estava na lista de locais em iminente perigo de exclusão.
"A única preocupação do Centro Património Mundial prendia-se com a questão das normativas que protegem o sítio histórico da Cidade Velha", conta. Uma preocupação ultrapassada, graças à legislação nacional que garante a protecção do património histórico, afirma Jair Fernandes.
Outra questão colocada diz respeito às infra-estruturas, sobretudo às que constituem um benefício directo na população. "Estamos a falar do projecto de saneamento, que é um projecto que está a ser levado a cabo pela Câmara Municipal da Ribeira Grande de Santiago e que o Ministério da Cultura, desde o IIPC, tem estado acompanhar esse projecto a par e passo". 
A CM da Ribeira Grande tem já preparado, para aprovação, o Plano Director Municipal (PDM), um "documento essencial para a gestão do território". Outros planos, ditos planos de pormenor, estão já em vias de elaboração.
Além destes, o IIPC está também a negociar, com outros parceiros, "um pacote de planos a serem implementados em prol da transformação e recuperação do casco histórico da Cidade Velha", elevada a Património da Humanidade pela Unesco em Junho de 2009.
A nível urbanístico a ideia é que os projectos sejam concertados entre os vários actores da cidade (ONGs, comunidade local, CM, etc), com vista à salvaguarda dos traços arquitectónicos e património herdados, sem esquecer a "vida dinâmica que a própria cidade tem".
E em breve, anuncia o Director da Salvaguarda do Património, uma missão da UNESCO virá a Cabo Verde, não para fiscalizar, mas para acompanhar a implementação dos projectos anunciados.
A 35.ª Sessão de Conferência da UNESCO decorreu de 19 a 29 de Junho, em Paris. No próximo ano o evento ocorrerá em São Petersburgo e, aí, será apresentado o relatório final, quatro anos após a candidatura da Cidade Velha a Património Mundial.

Candidatura do(s) campo(s) de concentração de Tarrafal
Durante o encontro com o Centro do Património Mundial, no qual participaram várias entidades dos PALOP, foi também discutida uma eventual candidatura do Campo de Concentração de Chão Bom a Património da Humanidade. 
"Tratando-se sobretudo de um espaço de memória que envolveu vários países, todos esses países se mostraram partidários em apoiar Cabo Verde numa eventual candidatura do ex-campo de concentração de Chão Bom do Tarrafal", diz Jair Fernandes.
Os presentes, fizeram mesmo "finca-pé nesta candidatura", avalia, acrescentando que, de qualquer modo o Estado de Cabo Verde já a "tem praticamente preparada".
A candidatura do Campo de Concentração de Chão Bom seria apresentada juntamente com o de um outro espaço de memória, o do Campo de Tarrafal de São Nicolau.
"Não é nenhuma candidatura separada, porque se formos ver, historicamente há uma continuidade entre os dois "tarrafais", digamos assim. E a ideia é precisamente esta, potencializar o património de Cabo Verde no seu todo", explica.
Segundo previsto, e seguindo os tramites processuais, o dossier de candidatura poderá ser apresentado dentro de 2 ou 3 anos.

8-7-2011, 01:38:54
Expresso das Ilhas
Fonte: A Semana

Tarrafal: Candidatura a Património Mundial recebe apoio da UCCLA

A União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa – UCCLA – veio a público anunciar o seu apoio a uma possível candidatura do Campo de Trabalho de Chão Bom a Património Mundial. Esta decisão surge após encontro de representantes e Cabo Verde, Angola e Moçambique, com especialistas da Unesco na 35ª Conferência desta entidade em Paris.

Em carta dirigida ao primeiro-ministro de Cabo Verde, o Secretário Geral da UCCLA afirmou a decisão dos membros deste organismo em apoiar a candidatura do Tarrafal – conhecido como Campo de Trabalho de Chão Bom – à lista de Património Mundial da Unesco.
O processo de candidatura já está a ser elaborado pelo Governo cabo-verdiano e "levará entre dois e três anos” a ficar pronto, diz Jair Fernandes, Director da Salvaguarda do Património.
A acontecer, “é evidente que a candidatura do Campo de Concentração do Tarrafal da ilha de Santiago, não será uma candidatura separada do outro espaço de memória que é o do Tarrafal de S. Nicolau”, refere.
Os especialistas da Unesco deram entretanto aval positivo a esta pretensão, ainda mais tratando-se de um espaço de memória que envolveu vários países.

Fonte: A Semana

terça-feira, 5 de julho de 2011

CABO-VERDIANOS DE ROTERDÃO COMEMORAM A SEGUNDA EDIÇÃO DA FESTA DA INDEPENDÊNCIA NACIONAL NA “PRACINHA QEBROD”



Os promotores contam oferecer ao público muita diversão e aventura, diferente daquilo que tem sido feito ao longo dos anos, ou seja, pretende reunir um público eclético, de diferentes núcleos da cidade de Roterdão, que terão uma grande oportunidade de conhecer de perto a realidade do seu país de origem e entender um pouco mais a importância da data. 

Roterdão, 5 de Julho - O dia 9 de Julho está à porta e os cabo-verdianos na Holanda já estão preparado para juntos comemorarem mais um aniversário da independência do seu país. Sob a iniciativa da Associação dos PALOP vai ser comemorado o trigéssimo sexto aniversário da independência de Cabo Verde, já na sua segunda edição que acontece na Junta de Freguesia de Delfshaven na Pracinha Quebrod, cidade de Roterdão. As condições de base estão já asseguradas para que este dia seja comemorado num ambiente de festa, harmonia e com esfuziante expectativa.
É chegado o momento de agradecer a todos os patrocinadores dentro e fora da Holanda que se prontificaram em apoiar esta iniciativa, o que muito nos honra.
É também ocasião para agradecer a todos aqueles que nos encorajaram directa ou indirectamente para que esta iniciativa fosse levada avante, manifestando de forma expressa o seu apoio moral que este tipo de eventos normalmente exige.
Não podemos, igualmente, deixar passar em branco, o estranho comportamento da actual administração da transportadora aérea cabo-verdiana, a TACV, que, pela segunda vez se distanciou deste evento cultural sem nunca ter reagido às nossas diversas solicitações de apoio. Um caso que segundo a direcção da AP, será oportunamente abordado, de novo, porquanto trata-se de uma situação de manifesto desinteresse, que no passado não costumava ser o timbre da administração da TACV e nem dos seus representantes locais. Finalmente, os promotores entendem, apesar de tudo, que o mais importante é juntar a comunidade cabo-verdiana no dia 9 de Julho a partir das nove de manhã até as 22h30, numa jornada de aproximação, de convívio, de comer e beber mas também uma oportunidade para ouvir, apreciar e sentir a chama da boa música da terra entre amigos, num ambiente de muitos criolos e não só, que aguardam que a Pracinha Quebrod venha a ser o epicentro de muita alegria e o local possa constituir, em definitivo, como mais um local a eleger na divulgação da nossa cultura pátria.
Com efeito, contamos com a honrosa presença da cantora Solange Cesarovna Rodrigues, que é cabeça-de-cartaz e que pela primeira vez vai actuar na cidade de Roterdão a convite da Associação dos PALOP, para além de músicos e artistas locais como o Américo Brito, Djuta Gomes, Dino Medina, Nany di Fogo, Luis Tavares, Babinho e a ainda com a participação especial de Breka di Djarforgo (violinista), que completam um menu recheado de muita diversão de qualidade. A orquestração estará a cargo de Jorge do Rosário com sua banda musical “Nostalgia”, sob a batuta do mestre Manuel di Candinho. O céu aberto da Pracinha Quebrode, Heemraadsplein, em Roterdão será certamente uma testemunha de um grande evento que todos aguardam com expectativa.
Com efeito, os promotores contam oferecer ao público muita diversão e aventura, diferente daquilo que tem sido feito ao longo dos anos, ou seja, pretende reunir um público eclético, de diferentes núcleos da cidade de Roterdão, que, terão uma grande oportunidade de conhecer de perto a realidade do seu país de origem e entender um pouco mais a importância da data que é a independência nacional. Por conseguinte, será um dia especial aberto a todos os cabo-verdianos e a outras nacionalidades, de todas as idades que aguardam este acontecimento com muita expectativa.
Radio voz de Cabo verde
Roterdão - Holanda
Fonte. Liberal

segunda-feira, 4 de julho de 2011

A Capital de ontem


“A Praia de Lobo da Gama a Duarte Fontoura: Principais Transformações (1652-1974)” é a forma que o Arquivo Histórico Nacional encontrou para celebrar com História o 36º aniversário da Independência de Cabo Verde. São documentos manuscritos, impressos (fotos e postais), cartográficos e filatélicos, que fazem parte do acervo do AHN e contam a história da Praia desde o primeiro ao último governador das ilhas. Dividido em quatro painéis – Os primórdios: da Ribeira Grande de Santiago ao Povoado da Praia (I); A “Vila de Santa Maria da Praia” (II); A “Cidade de Praia de Santiago” (III); e A Praia de hoje em Imagens (IV) -, a exposição traça por conseguinte o percurso de desenvolvimento dessa urbe e as suas principais transformações ao longo dos anos”, diz a presidente do AHN, Sandra Martins.

Fonte: A Semana

domingo, 3 de julho de 2011

Cultura, um projecto de longo prazo



Com a chegada ao fim do estado de graça (primeiros cem dias de governação), o Ministro da Cultura, Mário Lúcio Sousa faz um balanço do que já foi feito e do que está traçado no âmbito da nova Política Cultural. São muitos os planos e vasta também a visão dos projectos a (e de) longo prazo.
No ministério "cada dia é uma eternidade, no sentido em que não se trabalha pensando na precariedade das funções. O tempo não é o que mais conta independentemente", de quanto mais tempo Mário Lúcio Sousa esteja em funções.
"O país não pode ter a sua vida programada quinquenalmente" e, portanto, aos múltiplos projectos já em curso juntam-se outros, que começando a ser planificados hoje, só serão realidade dentro de alguns anos.
"Há uma proposta para uma política cultural a longo prazo. A nossa visão é que haja uma política cultural concertada, pelo menos, no horizonte de 2030, que é o tempo que se leva a formar uma geração com conhecimentos científicos na área da cultura", revelou o Ministro da Cultura, em conferência de imprensa realizada sexta-feira, 1 de Julho.
E como o futuro diz respeito a todos, o Ministro da Cultura exorta toda a sociedade civil e comunidade artística a participar na discussão do estado da arte presente e vindouro, no país. 
Nesse sentido, o período de graça foram dias de debate. 
"Tivemos vários contactos com a sociedade criadora do país, dialogamos muito, aprendemos muito, e explicamos qual é a política do governo para esta legislatura, para a área das economias criativas e para a economia do país, assim como para a cultura simbólica de Cabo Verde", contou Mário Lúcio Sousa.
Nesses cerca de três meses, foi apresentado um Plano Intersectorial para a cultura, a partir do qual serão criados os planos sectoriais da actividade.
As linhas de orientação para uma política cultural nos próximos tempos foram também definidas, e têm como base: o financiamento da cultura, as políticas sociais, a formação (nomeadamente a criação de uma Escola Nacional de Artes), a promoção cultural e a exportação da cultura.

Fundo autónomo da cultura e Banco da Cultura
Em termos de financiamento das actividades de cariz cultural, foi já implementado o Fundo Autónomo da Cultura. O seu balcão de atendimento ao público, o Banco da Cultura foi inaugurado, no passado dia 27 de Junho. 
A execução de muitos dos projectos delineados está apenas à espera da aprovação do orçamento. É o caso da política do livro. 
"Estamos a trabalhar internamente na criação de uma central única de edições, já estamos a trabalhar internamente na criação, junto com o sector privado, de uma gráfica para os assuntos da cultura, para ajudar a promover a edição", disse o Ministro.

Redes culturais e, em cada canto, a Cultura
Durante o estado de graça, o Ministério da Cultura (MC) visitou vários municípios. Cada um deles, através de acordos assinados entre o MC e o Instituto de Investigação e Património Cultural, acolherão um museu: o Museu da Cidade.
"Neste momento, há também cinco casas da cultura que estão em implementação" brevemente haverá mais quatro, acrescentou Mário Lúcio Sousa.
As casas da cultura fazem parte da política social. A ideia é que em bairro de Cabo Verde exista um espaço de cultura e a ter em conta os números, existem cerca de 2000 bairros no país. Aos poucos, pretende-se chegar a todos eles.
O Plano cultural prevê que até ao final de 2011 sejam instaladas 200 casas da cultura.
"Não são construções, são instalações. Não vamos construir, essa é a política do MC, vamos recuperar património construído e vamos trabalhar, em concertação com as associações da sociedade civil que tem espaços onde já funcionam", frisou o ministro da cultura. " São espaços onde os grupos ensaiam, são centros sociais, centros de acolhimento. As casas da cultura são o encontro da cultura com essas actividades", explicou. O ministério vai, assim, conceder o título (de casa da cultura) e fornecer equipamentos para que o seu funcionamento.
Em curso está também a montagem da rede nacional de salas, que são 74 salas por todo o país. 
"A indústria criativa não existe por si só: entra na cadeia de gestão. São as actividades que vão fazer com que haja mais transporte, mais ocupação da taxa nos hotéis, nos restaurantes, nas salas de espectáculos, mais movimento dos produtos culturais e dos consumidores", avaliou Mário Lúcio.

Escola Nacional das Artes
A Escola Nacional das Artes, que se pretende integrada no sistema nacional de ensino, é um dos projectos a longo prazo deste programa para a cultura. 
Direccionada para as Belas Artes e Música, há já núcleos a trabalhar no sentido de escolher o perfil, nomeadamente os currículos, desta escola.
A Escola "vai ter um núcleo de música, que já está neste momento a funcionar para dar subsídios, um núcleo de artes visuais, um núcleo de artes performativas e um núcleo de cine-media", revelou Mário Lúcio Sousa.
No início, o funcionamento continuará a apostar nos núcleos. "Vamos funcionar de acordo com a realidade do país. Com o tempo [o projecto] vai-se consolidando, até se criar uma Escola Nacional de Artes que terá também a sua ligação com o Ministério da Educação e terá também as suas antenas em todas as ilhas".

Estatuto do artista 
"O estatuto do artista faz parte do pacote legislativo que o Ministério da Cultura tem em preparação".
O trabalho essencial neste novo pacote tem a ver com a "regulamentação do exercício da actividade profissional na área da cultura", mas para isso, o primeiro passo é o levantamento das actividades na área da cultura, a nível profissional ou não.
O Portal para registo nacional de "toda a gente que trabalha no sector da economia criativa" já está pronto. A inscrição pode ser feita online ou através das casas do cidadão.
Depois desse registo geral, é que se poderá avançar, com segurança, para a consolidação do estatuto, que vem definir os requisitos para atribuição de uma carteira profissional.
"Tem que haver requisitos legais e tem que haver regulamentação", considera Mário Lúcio, salientando que a nível de trabalho, isso será uma salvaguarda no pagamento dos impostos e da segurança social do artista.
"Teremos oportunidade de apresentar o pacote legislativo para aprovação e discussão, na sociedade civil.
Depois, este deverá ser amplamente difundido para que todos tenham conhecimento de como é que vai funcionar", adiantou.

Artesanato
"Cabo Verde tem um artesanato peculiar e muito dinâmico, mas não tem distribuição a nível nacional", avalia o titular da Pasta da Cultura. Quanto a esta indústria, a proposta do ministério é criar uma "rede nacional de distribuição para que ao artesanato entre no circuito do mercado turístico e do mercado nacional."
Para promover o artesanato está já programado o Fórum Nacional do Artesanato, que decorre no mês de Novembro, em São Vicente.

2-7-2011, 03:15:07
Sara Almeida, Redacção da Praia

Vai ser criado o centro UNESCO no espaço lusófono

A CPLP e a Fundação para a Ciência e a Tecnologia assinaram este sábado, 02 um memorando com o objetivo de agilizar a criação, no espaço lusófono, de um centro UNESCO para formação em ciências básicas.

O secretário executivo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), Domingos Simões Pereira, e o presidente da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, João Sentieiro, assinaram, em Lisboa, um memorando de entendimento para o estabelecimento de um Centro UNESCO para “formação avançada em ciências básicas” no espaço lusófono.
“Temos tentado aproximar-nos da UNESCO, que nos pretende apoiar na criação de um centro ligado às ciências e aos desenvolvimentos tecnológicos. Este apoio vai permitir facilitar a criação deste centro que nós achamos que é um domínio no qual os nossos estados começam a mostrar muito interesse”, explicou à Lusa Domingos Simões Pereira.
O acordo assinado com Portugal, destacou o secretário executivo da CPLP, é “um passo muito significativo” que vem consubstanciar o objectivo fundamental de cooperar no domínio da Ciência e Tecnologia, conforme expresso nos estatutos da organização lusófona.
De acordo com Simões Pereira, o memorando vai reforçar a capacidade do secretariado da CPLP para tratar deste assunto. “Isto vai permitir que beneficiemos de uma consultoria ou de um trabalho técnico competente na matéria, o que vai ajudar ao secretariado a melhorar o seu nível de interacção com o gabinete da UNESCO”, precisou o responsável.
Em função desse trabalho, acrescentou, o secretariado da CPLP vai “poder não só definir quais os domínios onde a intervenção é prioritária, como também as questões que dizem respeito ao próprio centro”, explicou.
A questão da localização do futuro centro UNESCO “ainda não se coloca porque isso ainda será objecto de uma avaliação”, esclareceu Domingos Simões Pereira.
Fonte: Asemana

sábado, 2 de julho de 2011

Museus e monumentos de Paris registiram um aumento de 0,6% no número de visitantes, em 2010


 Os museus e monumentos de Paris registaram um aumento de 0,6% no número de visitantes, em 2010, com um total de 45,3 milhões de pessoais, segundo o Gabinete de Turismo da capital francesa.
Monumentos e Museus mais visitados:
- Catedral de Notre Dame: 13,65 milhões de visitantes;
- Basílica do Sacre Coeur: 10,5 milhões de visitantes;�
- Museu do louvre: 8.346.361 milhões de visitantes;
- Torre Eiffel: 6,7 milhões de visitantes;
- Centro Pompidou:3.130.000 milhões de visitantes;
- Museu d’Otrsey: 2.985.510 milhões de visitantes;
Fonte: La vanguardia

fonte: http://www.pportodosmuseus.pt/

202 Art Tour – projecto de divulgação artística e cultural


O 2020 Art Tour é um projecto de divulgação artística e cultural focado nos novos artistas de todas as disciplinas, uma iniciativa da Nortcultura. O objectivo deste projecto é criar uma plataforma de promoção e de mercado para pintores, desenhadores, fotógrafos, escultores, músicos e outros artistas, num evento de cooperação inter-regional europeu, materializado em diversas feiras itinerantes.
O primeiro circuito, a decorrer entre 2011 e 2012 será Portugal-Galiza.
Para mais informações:
http://www.nortcultura.com/

fonte: http://www.pportodosmuseus.pt/