segunda-feira, 14 de março de 2011

Orlando Pantera: a revelação da década

Orlando Monteiro Barreto nasceu a 1 de Novembro 1967, na ilha de Santiago, na localidade de Santa Cruz. Com apenas um ano, viajou para Angola com a família, tendo regressado a Cabo Verde em 1976.
Pantera, assim apelidado porque gostava de revistas do Pantera Cor-de-Rosa, terá aprendido os primeiros acordes de guitarra em Luanda. Em Cabo Verde, desenvolveu as aptidões musicais com o professor de música Kubala, e com Ney de Belinda, músico cabo-verdiano com formação em jazz.
Apesar de originalmente guitarrista e baixista, também andou pelos caminhos da percussão. Foi autor de uma série de composições que lhe valeram a nomeação como Compositor do Ano em 1993, depois de três dos seus temas terem sido gravadas no álbum "Porton d'nôs Ilha", do grupo "Os Tubarões".
Ainda no início dos anos 90, fez parte de diversos grupos musicais do panorama artístico cabo-verdiano, entre os quais Pentágono, Quinteto Capeverdeans Jazz Band e Arkor. Participou em diversos festivais de música nacionais e internacionais, compôs com João Lucas a banda sonora do espectáculo "Dan Dau" da companhia portuguesa Clara Andermatt e escreveu músicas para alguns trabalhos da companhia de dança cabo-verdiana Raiz di Polon.
No ano 2000, venceu o Prémio de "Revelação" no Festival Sete Sóis Sete Luas, na ilha de Santo Antão. O seu percurso inclui ainda o ensino de canto, violão e flauta na escola Pentagrama na Praia, mas também no Centro de Assomada Aldeia SOS.
De sorriso contagiante e estilo inusitado de interpretação, Pantera foi considerado o pioneiro de um novo estilo musical (uma versão acústica do batuku), seguido por vários jovens artistas nacionais. Vadú, Tcheca, Princezito, e Mayra Andrade são alguns dos que integram o grupo da "geração Pantera".
As letras das suas composições estão quase sempre associadas à vida no mundo rural na ilha de Santiago, traduzindo-se em crónicas musicais com ritmos resultantes de uma sinergia entre os géneros tradicionais do batuku e outras influências internacionais.
Tunuka, Lapidu na bo, Dispidida, Vasulina e Regaçu são alguns dos seus temas mais conhecidos, e que já foram recuperados por alguns artistas cabo-verdianos, entre os quais Lura, Mayra Andrade, Voginha e Lionel Almeida.
Pantera faleceu a 1 de Março de 2001, aos 33 anos de idade, vítima de um colapso pancreático fulminante. Preparava-se para partir para Portugal, França e Brasil para gravar seu primeiro CD "Lapidu na bô". O trabalho seria o resultado de uma série de pesquisas de batuque e funaná feitas pelo músico. Na altura, já era considerado uma das maiores revelações musicais da década em Cabo Verde.
Fonte: http://www.expressodasilhas.sapo.cv/pt/noticias/detail/id/23601

0 comentários:

Enviar um comentário